Expedição Transamazônica – Diário de Bordo 28/02/2011

 

Parentes e amigos vieram para a largada da Expedição Transamazônica 2011. Arquivo pessoal

28/02/2011

 

– O dia começou cedo conforme o combinado, às 05h30min o Denis já estava com o Troller – TRATERRA no ponto de largada aguardando os outros expedicionários. Chegamos pouco antes das seis horas junto com o Normino Filho de carona no seu Willys 62 – DIFAMADO, em seguida chegaram o Sales no seu Troller – PIU PIU, o Fusca 4×4 da Equipe Tecnocarro tendo o Wans no comando, e o Rafael na sua Land Rover 110. Também chegaram alguns amigos e parentes para a despedida e motivação a mais na largada da expedição.

Estando por fim todas as “tralhas” devidamente arrumadas, os últimos adesivos colocados, abraços e beijos dados, boa sorte desejada, às 06h30min o comboio iniciou a Expedição Transamazônica 2011.

 
 

BR 010 - A chuva inspirava os expedicionários. Por Sandro Lemanski

Percorremos pouco mais de cem quilômetros pela BR 010 até Ulianópolis/PA, onde seguimos pela estrada do ramal que corta as propriedades da PAGRISA e CIKEL – o ramal é conhecido como “Ramal da Cikel” e se paga pedágio para transitar por lá (R$53,00 em três pedágios), e até chegarmos à PA 150 – próximo a Goianésia/PA foram mais 180 km. Neste trecho efetivamente começamos a “brincar” com os 4×4, além dos plantios de cana de açúcar, reflorestamento, áreas de manejo florestal, havia algumas outras fazendas – fomos bem recebidos e almoçamos com o Sr. Aristides em uma delas. Certamente o trajeto proporciona um belo visual, a estrada é boa, em alguns trechos é possível atingir 70 km/h, mas o melhor foi um trecho não “empiçarrado”, era puro barro e como chovia, até o experiente Sales rodou com o Troller Piu Piu quase entrando pela mata, o Normino Filho segurava no braço o Willys 62 – Difamado, quem brincou legal foi o Fusca 4×4 da Tecnocarro com o Wans treinando drifting, nós na Land “flutuávamos” com as quatro – foi um bom treino para os pilotos.

Fusca 4x4 fazendo drifting no barro - podemos chamar de sabão. Por Sandro Lemanski

De Goianésia/PA até Tucuruí/PA seguimos pela PA 263, a estrada de asfalto está em bom estado, permitindo velocidades mais altas, cabendo atenção com erosões nos acostamentos que chegam até a faixa de rodagem. Paramos em Breu Branco/PA para abastecimento e checagem dos carros. Fizemos uma breve pausa para lanche e fotos sobre a represa da UHE/Tucuruí, que estava com os vertedouros abertos proporcionando belas fotos e encantamento principalmente nos Zequinhas Mirins.

UHE/Tucuruí - Vertedouro aberto proporcionou um belo visual. Por Sandro Lemanski

Era pouco mais de 17h30min quando saímos do asfalto de Tucuruí/PA rumo a Novo Repartimento – PA pela BR 422 – é bom transitar de dia neste trecho, além do belo visual os barrancos são um perigo real, com estreitamento da pista e sem acostamento – a barriga esfria só de lembrar. Choveu junto com o anoitecer, o que aumentou a tensão e adrenalina de todos, e logo começamos a ver e sentir os desafios da expedição – quando chove a estrada fica realmente escorregadia, haviam duas carretas que não conseguiram subir uma ladeira e atolaram, já se formava uma fila de ônibus, microônibus, caminhões, caminhonetes e carros de passeio, que mesmo tendo um desvio feito pelo trator de esteira não conseguiam passar e nos solicitavam auxílio – é necessário muito tato para pedir licença para passar na frente e explicar a negativa em puxar os mais pesados.

Carreta não consegue subir a ladeira molhada na BR 422. Por Sandro Lemanski

Chegamos a Novo Repartimento/PA às 19h50min debaixo de muita chuva – o que já aumenta a expectativa para o dia seguinte, percorremos 466 quilômetros em 13h23min, sendo 10h19min em movimento, e 03h03min parados, fazendo a média geral de 34,8km/h, e em movimento 45,1km/h – uma média muito boa considerando os trechos de chão. Jantamos na maior churrascaria da cidade – uma comida boa com preço honesto, nos hospedamos para o pernoite e marcamos a saída para as 07h00min…

Este slideshow necessita de JavaScript.

Sobre Trilhando para onde o caminho levar... sandro José bentes lemanski. PERMITIDA A REPRODUÇÃO, DESDE QUE INFORMADA A FONTE.

Marido, Pai, Filho, Irmão, Tio, Amigo, Médico Veterinário Esp. Educação Ambiental. Amante da Natureza e do mundo 4x4 fora da estrada, trilhandopara onde o caminho levar, com respeito ao homem, peça central da natureza e este dependente dela. trilhandopara consolidar os laços da família... trilhandopara fazer e reunir os amigosdojipe... trilhandopara trabalhar, estudar, divertir, fazer o bem, cuidar de pessoas e do meio ambiente... trilhandopara simplesmente ser feliz... Ver todos os artigos de Trilhando para onde o caminho levar... sandro José bentes lemanski. PERMITIDA A REPRODUÇÃO, DESDE QUE INFORMADA A FONTE.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: